quinta-feira, 2 de abril de 2009

Auxiliares de Memória V


Foi no longínquo ano de 1997 que um grupo de audazes habitantes da minha terra natal, Abrantes, se decidiu a “abanar” as coisas e organizar um festival de rock com um conjunto de grupos portugueses que estavam a despontar naquela altura.
Eu não pude assistir ao primeiro dia, pois estava a trabalhar, mas tive o prazer de assistir aos restantes dois dias de concertos. Consegui também cativar um grupo de “Bárbaros do Norte” a deslocar-se às terras ribatejanas, por força do bom cartaz, para assistir a este evento. Penso que estes amigos, apesar do sofrimento que sentiram com as temperaturas da região, não deixaram de se divertir e desfrutar do que o festival lhes oferecia. Anos passados e tenho pena que nunca mais se tenha repetido um evento com esta dimensão, pelo menos era mais uma coisa que ajudaria a divulgar a minha terra.
Falando de música, das bandas que participaram neste evento, poucas são as que resistiram e ainda existem, mas nunca vou poder esquecer a grande actuação dos Astonishing Urbana Fall, naquela noite de calor sufocante.
Foi nesta noite também que comprei o primeiro single de uma excelente banda, que passou quase como um cometa pela música portuguesa, os Zen. Ver esta banda foi uma autentica surpresa, a energia mostrada ao vivo, a maneira como o vocalista Rui S. se agigantava em palco era impressionante, o Rock’N’Roll estava vivo e era português. Depois deste concerto fiquei fã, ainda consegui vê-los ao vivo em Paredes de Coura e na semana do Enterro do Ano em Aveiro. Foi pena que esta banda, responsável pelo álbum “The Privilege Of Making The Wrong Choice”, nome que considero um dos melhores nomes de discos da música portuguesa a par do “Por este andar acabo por morrer em Lisboa” do projecto Ovelha Negra, tivesse acabado tão cedo pois, para mim, o projecto acabou com o disco ao vivo. É que já não fui capaz de os acompanhar com o mesmo fervor, após as saídas do Rui e do Jorge da banda.
Fica aqui um vídeo dos Zen ao vivo para que percebam melhor do que falo.

Quero por fim deixar o desejo de que um dia se consiga fazer novamente um festival do género deste “Super Rock Mourões” em Abrantes.

3 comentários:

José disse...

Pois foram as noites em que Luís XIV passou por lá.
Mais um fds inesquecível.. cheio de alucinações e muito mais.

Joao Nuno Silva disse...

Lembraste de cada coisa...
Devo ter bebido algumas minis com esse famoso Luis XIV!

dj duck disse...

Fabulosos Zen..Grande Ruisinho...